quarta-feira, 22 de março de 2017

A propósito da abertura da Barra de Aveiro

Para Memória Futura

Carta de Luís Gomes de Carvalho 
ao futuro rei D. João VI



Nota: Carta publicada no Arquivo do Distrito de Aveiro, integrada em artigo da autoria de Ferreira Neves, um dos fundadores e  diretor da revista,

sábado, 18 de março de 2017

Mulheres das Gafanhas



Esta fotografia não é minha, mas fui eu quem a divulgou pela primeira vez. Faz parte de um livro de Maria Lamas — Mulheres do meu país — que li e consultei há muitos anos. Hoje, como andei a tentar arrumar algumas fotos que tenho armazenadas em nuvens e discos externos, passou-me pelos olhos este registo que me transporta a tempos idos da minha infância e juventude. Conheci algumas destas mulheres das nossas Gafanhas (Nazaré, Encarnação e Carmo), tidas por trabalhadoras indomáveis. Matriarcas muitas vezes com maridos ausentes, na pesca do bacalhau ou na emigração. E reparem como em muitas se mantém um ar sorridente. Todas decerto já faleceram, mas deixaram raízes indeléveis na nossa memória.

quarta-feira, 1 de março de 2017

Gafanhas no Concelho de Ílhavo


Teresa Reigota: Um exemplo a seguir

“Gafanha… O que ainda vi, ouvi e recordo”



“Gafanha… O que ainda vi, ouvi e recordo” é um livro de Teresa Filipe Reigota, natural da Gafanha da Nazaré e residente na Gafanha da Boavista, S. Salvador. Gafanhoa de gema, como gosta de afirmar, esta professora aposentada tem uma indesmentível paixão pela etnografia. 
Com seu marido, o também professor aposentado João Fernando Reigota, funda o Rancho Regional da Casa do Povo de Ílhavo, em 1984. O envolvimento nas tarefas de recolhas, pesquisas e estudos, levou-a a sentir a necessidade de preservar e divulgar os usos e costumes das gentes que a viram nascer e das quais guarda gratas recordações. Assim nasceu o livro “Gafanha… O que ainda vi, ouvi e recordo”, que vai ser lançado no dia 24 de Outubro, sábado, pelas 21 horas, no Centro Cultural de Ílhavo, em cerimónia que encerra as celebrações das Bodas de Prata do Rancho Regional.
Sobre este livro pronunciar-me-ei numa outra altura, pois considero importante não só manifestar a agradável impressão que a sua leitura me suscitou, mas também estimular a nossa juventude para que se embrenhe nestes estudos, fundamentais à cultura da identidade do povo que somos e que queremos continuar a ser, sobretudo no que diz respeito à manutenção dos valores que enformam a nossa sociedade.
Garanto, aos meus amigos, que a leitura deste trabalho da Teresa Reigota, inacabado como todas as obras do género, suscitará em cada um a revivência de estórias iguais ou semelhantes às que a autora agora nos oferece. E como recordar é viver, estou em crer que todos aceitarão a minha proposta.

Fernando Martins

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Famílias Tradicionais da Gafanha

Um trabalho de Orquídea Ribau


CURIOSIDADES À VOLTA 
DE ALGUNS NOMES 
DE FAMÍLIAS TRADICIONAIS NA GAFANHA

Assento de óbito de António Ferreira
Fonte: A.D.A., S.Tiago de Vagos, Óbitos, Lv. nº 16, Fl .nº 11-verso.
Foto obtida sob autorização do A.D.A.

Como em qualquer outro universo comunitário, alguns nomes de familia, ainda hoje utilizados na Gafanha, têm uma origem muito particular e um pouco à revelia das diferentes“normas” aplicadas ao longo do período compreendido entre a fixação dos primeiros habitantes, no final do séc. XVII, e o final do séc. XIX. Esses nomes adoptados adquiriram tal importância dentro da comunidade que fizeram mesmo desaparecer um ou mais apelidos familiares oficiais. Eis alguns exemplos:

SARDO – Surgiu como alcunha. António Ferreira, assim se chamava o visado, obteve o nome por ser de “cor sardo e cabelo avermelhado”, de acordo com o assento de óbito. Pertencia à família Ferreira, uma das primeiras a fixar-se definitivamente nas areias da “Gafenha” no virar do séc. XVII para o seguinte. Viveu durante a segunda metade do séc. XVIII, e deixou de herança o apelido da familia e a alcunha aos seus descendentes – FERREIRA SARDO. Nas ocasiões em que tinham que mencionar oficialmente a sua filiação, tais como baptismos ou casamentos, os seus filhos identificavam-no como António Ferreira Sardo.

No séc. XIX fixou-se na Gafanha um indivíduo da Murtosa, Mateus Fernandes Sardo, sem ligação aparente à família da Gafanha. Aqui deixou descendentes com esse apelido, que deverá ter uma origem diferente.

O referido António Ferreira Sardo teve um sobrinho, filho de seu irmão mais velho Joaquim Ferreira, de seu nome José Ferreira, a quem, ainda não descobri porquê, apelidaram de “fidalgo”, alcunha que também vingou e se transmitiu como apelido até aos nossos dias - José FERREIRA FIDALGO.

FILIPE – Também numa das primeiras familias que definitivamente aqui se fixaram, a família Fernandes Cardoso, nasceu no primeiro quartel do séc. XVIII Filipe Fernandes Cardoso. Teve vários filhos varões que assumiram como apelidos o Fernandes do pai, seguido do seu nome próprio, Filipe - FERNANDES FILIPE - até hoje.

VILARINHO – Ainda no Séc. XVIII, um membro da família de apelidos “Francisco Sarabando” – outra das tais três ou quatro primeiras famílias que aqui se enraizaram – casou com Maria de Pinho, nascida no lugar de Vilarinho, da freguesia de São Julião de Cacia, conhecida, devido a essa origem, por “a vilarinha”. Os seus filhos passaram a ser os “da vilarinha”, acabando por adoptar oficialmente a alcunha e deixando cair o apelido Sarabando - Fulano FRANCISCO DA VILARINHA. De “da Vilarinha”, a alcunha evoluiu, através dos cento e cinquenta anos seguintes, para “da Veleirinha” e “Vileirinha”, depois para “Veleirinho” e “Vileirinho”, e finalmente para “Vilarinho”, que é a forma correcta e utilizada hoje, ainda que a forma “Veleirinho” tenha sobrevivido na zona sul da Gafanha.

GAFANHÃO – Dois irmãos, primos do anterior, também de apelido Sarabando, casaram em Aveiro em meados do séc. XVIII. Um na freguesia da Apresentação - território que pertence hoje à Freguesia da Vera Cruz - e outro em São Miguel, que hoje faz parte da Freguesia da Glória. Ambos receberam a alcunha de “Gafanhão”, supostamente por serem da Gafanha, embora um deles tenha nascido na freguesia da Apresentação por os pais lá terem vivido alguns anos; até as suas esposas, aveirenses, passaram a ser conhecidas como “Gafanhoa” – ex.: Maria Luiza Gafanhoa, a da Apresentação, no Assento do seu óbito em 1806. Apesar de alguns dos seus descendentes terem mantido o apelido Sarabando, que ainda existe em Aveiro, a alcunha sobreviveu, tendo viajado para o lugar de S. Bernardo, onde um deles casou e a deixou como apelido dos filhos e netos; um outro descendente, Manuel Francisco Gafanhão, já no séc. XIX, regressou às origens familiares com a esposa, e veio enraizar o “GAFANHÃO” na Gafanha.

MARÇAL – Mais um caso idêntico ao FILIPE. Aqui, o patriarca chamava-se Marçal Rodrigues, do lugar do Paço, freguesia de Esgueira, e o filho, que casou na Gafanha em 1837, chamou-se Manuel RODRIGUES MARÇAL, deixando os apelidos aos descendentes.


MARTINHO – Outra situação semelhante às anteriores: Martinho José dos Santos veio do lugar de Santiago, freguesia de São Miguel de Aveiro. Os seus descendentes, presentes na Gafanha a partir de meados do Séc. XIX, adoptaram os apelidos DOS SANTOS MARTINHO.

~~~~~~~~~~
NOTA: Esta é uma segunda edição do mesmo texto, publicado no meu blogue Galafanha - Sapo. Reedito-o na convicção de que não é muito lido, apesar das curiosidades que encerra. Vou tentar convencer alguns amigos a cooperarem com textos semelhantes. Lembro, no entanto, que é necessário evitar as fantasias. O rigor histórico é muito  importante.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Gastronomia: Bacalhau de Outono




NOTA: Receita gentilmente cedida pelo Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré e apresentada no "Concurso Prato Tradição & Prato Inovação", na categoria "Inovação", realizado no âmbito do Festival do Bacalhau 2016.
Publicado na Agenda "Viver em..." da CMI

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

sábado, 14 de janeiro de 2017

Gafanha do Carmo — Jardim das Alminhas








Durante a minha recente passagem pela Gafanha do Carmo, rápida que o tempo urgia, procurei apreciar mais o que salta à vista. Num bifurcação, bem visível para quem circula, lá estava o Jardim das Alminhas, com data de 1997, que traduz a fé das gentes do Carmo. O painel, que outrora nos assustava com as chamas do purgatório ou do inferno a infligirem um castigo terrível, temporário ou eterno, continua a dar que pensar. E a Nossa Senhora do Carmo lá estará a consolar algumas almas, lembrando, decerto, que Deus Misericordioso perdoará sempre...
Entretanto, fui informado por Domingos Vilarinho que as Alminhas já existiam antes da inauguração  do Jardim das Alminhas. 

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Postal Ilustrado: A Borda

Portas d'Água

Para os gafanhões, a borda era o local de acesso mais fácil à Ria. Com maré baixa, era certo e sabido que o povo se abastecia de berbigões (cricos, na gíria popular), amêijoas, lingueirão de canudo e de uns peixitos que por ali cirandavam aflitos e sem força para chegar aos regos de água salgada. O mexilhão e lapas arrancavam-se das pedras que defendiam os terrenos das marés vivas. Há décadas, o marisco era apanhado livremente, dia a dia, sempre ao sabor das marés. Apenas se respeitavam, em obediência ao saber de experiência feito, os meses sem erre. Nessas alturas, sem avisos das autoridades marítimas, o povo sabia que as diarreias eram perigosas.

A borda era um convite à proximidade franca com a laguna. Nadava-se, chapinhava-se nas lagoas que a maré cheia deixava para deleite da pequenada. A borda era espaço de encontro e de cavaqueiras das gentes da pesca e da apanha do moliço, chamado arrolado, porque era oferecido de mão beijada pelas águas quando fugiam para o mar.

A borda beneficiava todas as Gafanhas e matava a fome a imensa gente. Mas a borda de hoje, não era como dantes. As obras portuárias, cais, diques, navios, arruamentos, ferrovia e outras estruturas ligadas às pescas, como estaleiros, oficinas e espaços comerciais, fecharam a sete chaves a ria aos gafanhões. A laguna ficou para turistas que por ela navegam em épocas de lazer. Agora, apenas num ou noutro recanto, ainda vale a pena arregaçar as calças para apanhar marisco. A cerveja fresquinha espera.

domingo, 1 de janeiro de 2017

Cruzeiro da Gafanha do Carmo



No dia 29, quinta-feira, senti um apelo que me levou a passar pela Gafanha do Carmo. Eram as minhas raízes, do lado materno, a chamarem-me. A minha avó Custódia Luís Ferreira nasceu na então Gafanha dos Caseiros, em 28-08-1867.

Em adolescente e jovem por lá andei imensas vezes de casa em casa com os meus pais. Na rua por onde andava pouco resta daquilo que conheci há uns 70 anos. Passei, olhei numa tentativa de recordar. E fui atraído pelo cruzeiro que é quase da minha idade. Parei, fotografei, procurei registos, mas nada. Um casal que terá apreciado a minha curiosidade suscitou uma curta conversa. Garantiu-me que está como na origem, apesar de ter sido derrubado por um carro que se despistou. O marido da senhora evocou que ele próprio e uns vizinhos tiveram o cuidado de o reconstruir, aproveitando ao máximo o que era de aproveitar. E lá está ele. 
Na minha memória estava um cruzeiro maior, mas não, não senhor. Disse a senhora: — Talvez por nessa altura o senhor ser menino… 
É verdade. Em menino, coisas pequenas parecem-nos maiores. A memória não será tão rigorosa quanto julgamos.
Depois fui à cata. E aqui fica a nota do Padre Resende na sua Monografia:

«O terceiro Cruzeiro, ou melhor o Cruzeiro-Crucifixo, foi benzido e inaugurado na Gafanha do Carmo em 21 de Agosto de 1939, em Comemoração dos Centenários da Independência e Restauração de Portugal. Sobre a base com três degraus de cimento assenta o Crucifixo de pedra de Ançã, medindo a altura do conjunto 2m,50. 
O terreno e alguns materiais para a construção foram cedidos por Joaquim Maria Caçador.
O resto da despesa, que foi de 240$00, foi custeado pela Irmandade de Nossa Senhora do Carmo.»

Notas:

1. Atrevo-me a sugerir que seja aplicada no cruzeiro uma placa simples com a legenda: "Inaugurado em 21 de Agosto de 1939  - Irmandade de Nossa Senhora do Carmo". É importante esclarecer quem passa, seja gente da terra ou algum turista, como foi o meu caso.

2. Algumas vezes ouvi, até de gente com alguma cultura, que os cruzeiros são pelourinhos. Não têm nada a ver com os pelourinhos. São, simplesmente, monumentos religiosos comemorativos da Independência e Restauração de Portugal.