sábado, 27 de fevereiro de 2016

Gafanha da Nazaré — Primeira Década

1910-1919

Igreja inaugurada em 14 de janeiro de 1912

A freguesia da Gafanha da Nazaré é criada numa época marcada por algumas transformações importantes, tanto para o País como para a Igreja Católica. Os moradores, povo crente, sabem escudar-se na Igreja e nas suas organizações para cimentar novas raízes neste espaço de areias soltas e movediças, onde levantam modestas habitações.
Como desde os primeiros tempos da sua fixação, nesta zona de ria e mar, a construção das habitações convoca a troca de saberes e a ajuda mútua. Desde o fabrico dos adobes, nas dunas, terra de ninguém e de um ou outro proprietário, junto à actual Mata da Gafanha, até ao levantar da casa em terreno oferecido pelos pais dos nubentes. 
Erguidas as paredes, apenas deixam mais ou menos concluídos a cozinha e um quarto. Tudo o mais fica para mais tarde, quando houver poupanças ou heranças. Quarto de banho não existe, mas não faltam os currais para o gado e para a criação. 
A agricultura em terrenos dos pais ou arrendados é a base da subsistência. Outros “andam de fora” como jornaleiros e seareiros, expressão usada nos registos de casamento, baptizado ou óbito.
Depois a pesca, as obras da barra, estaleiros, as secas e demais empresas ligadas às indústrias e comércio. Há conhecimento de que gafanhões emigram para os Estados Unidos e para o Brasil.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Alberto Ferreira Martins merece ser recordado


Reedito o talão correspondente ao primeiro subscritor dos 85 gafanhões que se responsabilizaram pela construção da igreja da Gafanha da Nazaré, antes ainda da nossa terra ser paróquia e freguesia, o que veio a acontecer apenas depois do decreto de D. Manuel II, rei de Portugal. assinado em 23 de junho de 1910.
Nas minhas buscas sobre a nossa terra, o senhor Alberto Ferreira Martins era pessoa habitualmente presente e com habilitações, o que se prova, no mínimo, pela caligrafia que usava. As atas da Junta de Freguesia, que tive o cuidado de ler e de transcrever algumas, no tempo em que não havia fotocópias, mostravam que o senhor Alberto Martins escrevia corretamente. Nessa altura, perguntei algo sobre ele, mas nada de relevante descobri. Fiz mal. Hoje lembrei-me de voltar ao tema. Espero encontrar algumas portas abertas, porque ele merece ser recordado. Vou aguardar algumas informações dos amigos.

JORGE RIBAU BRINDA-NOS COM A CHORA

Receita O prato  A nossa gastronomia tem muito mérito com muitos sabores, mas tem estado um pouco esquecida, por culpa, nat...