Famílias Tradicionais da Gafanha

Um trabalho de Orquídea Ribau


CURIOSIDADES À VOLTA 
DE ALGUNS NOMES 
DE FAMÍLIAS TRADICIONAIS NA GAFANHA

Assento de óbito de António Ferreira
Fonte: A.D.A., S.Tiago de Vagos, Óbitos, Lv. nº 16, Fl .nº 11-verso.
Foto obtida sob autorização do A.D.A.

Como em qualquer outro universo comunitário, alguns nomes de familia, ainda hoje utilizados na Gafanha, têm uma origem muito particular e um pouco à revelia das diferentes“normas” aplicadas ao longo do período compreendido entre a fixação dos primeiros habitantes, no final do séc. XVII, e o final do séc. XIX. Esses nomes adoptados adquiriram tal importância dentro da comunidade que fizeram mesmo desaparecer um ou mais apelidos familiares oficiais. Eis alguns exemplos:

SARDO – Surgiu como alcunha. António Ferreira, assim se chamava o visado, obteve o nome por ser de “cor sardo e cabelo avermelhado”, de acordo com o assento de óbito. Pertencia à família Ferreira, uma das primeiras a fixar-se definitivamente nas areias da “Gafenha” no virar do séc. XVII para o seguinte. Viveu durante a segunda metade do séc. XVIII, e deixou de herança o apelido da familia e a alcunha aos seus descendentes – FERREIRA SARDO. Nas ocasiões em que tinham que mencionar oficialmente a sua filiação, tais como baptismos ou casamentos, os seus filhos identificavam-no como António Ferreira Sardo.

No séc. XIX fixou-se na Gafanha um indivíduo da Murtosa, Mateus Fernandes Sardo, sem ligação aparente à família da Gafanha. Aqui deixou descendentes com esse apelido, que deverá ter uma origem diferente.

O referido António Ferreira Sardo teve um sobrinho, filho de seu irmão mais velho Joaquim Ferreira, de seu nome José Ferreira, a quem, ainda não descobri porquê, apelidaram de “fidalgo”, alcunha que também vingou e se transmitiu como apelido até aos nossos dias - José FERREIRA FIDALGO.

FILIPE – Também numa das primeiras familias que definitivamente aqui se fixaram, a família Fernandes Cardoso, nasceu no primeiro quartel do séc. XVIII Filipe Fernandes Cardoso. Teve vários filhos varões que assumiram como apelidos o Fernandes do pai, seguido do seu nome próprio, Filipe - FERNANDES FILIPE - até hoje.

VILARINHO – Ainda no Séc. XVIII, um membro da família de apelidos “Francisco Sarabando” – outra das tais três ou quatro primeiras famílias que aqui se enraizaram – casou com Maria de Pinho, nascida no lugar de Vilarinho, da freguesia de São Julião de Cacia, conhecida, devido a essa origem, por “a vilarinha”. Os seus filhos passaram a ser os “da vilarinha”, acabando por adoptar oficialmente a alcunha e deixando cair o apelido Sarabando - Fulano FRANCISCO DA VILARINHA. De “da Vilarinha”, a alcunha evoluiu, através dos cento e cinquenta anos seguintes, para “da Veleirinha” e “Vileirinha”, depois para “Veleirinho” e “Vileirinho”, e finalmente para “Vilarinho”, que é a forma correcta e utilizada hoje, ainda que a forma “Veleirinho” tenha sobrevivido na zona sul da Gafanha.

GAFANHÃO – Dois irmãos, primos do anterior, também de apelido Sarabando, casaram em Aveiro em meados do séc. XVIII. Um na freguesia da Apresentação - território que pertence hoje à Freguesia da Vera Cruz - e outro em São Miguel, que hoje faz parte da Freguesia da Glória. Ambos receberam a alcunha de “Gafanhão”, supostamente por serem da Gafanha, embora um deles tenha nascido na freguesia da Apresentação por os pais lá terem vivido alguns anos; até as suas esposas, aveirenses, passaram a ser conhecidas como “Gafanhoa” – ex.: Maria Luiza Gafanhoa, a da Apresentação, no Assento do seu óbito em 1806. Apesar de alguns dos seus descendentes terem mantido o apelido Sarabando, que ainda existe em Aveiro, a alcunha sobreviveu, tendo viajado para o lugar de S. Bernardo, onde um deles casou e a deixou como apelido dos filhos e netos; um outro descendente, Manuel Francisco Gafanhão, já no séc. XIX, regressou às origens familiares com a esposa, e veio enraizar o “GAFANHÃO” na Gafanha.

MARÇAL – Mais um caso idêntico ao FILIPE. Aqui, o patriarca chamava-se Marçal Rodrigues, do lugar do Paço, freguesia de Esgueira, e o filho, que casou na Gafanha em 1837, chamou-se Manuel RODRIGUES MARÇAL, deixando os apelidos aos descendentes.


MARTINHO – Outra situação semelhante às anteriores: Martinho José dos Santos veio do lugar de Santiago, freguesia de São Miguel de Aveiro. Os seus descendentes, presentes na Gafanha a partir de meados do Séc. XIX, adoptaram os apelidos DOS SANTOS MARTINHO.

~~~~~~~~~~
NOTA: Esta é uma segunda edição do mesmo texto, publicado no meu blogue Galafanha - Sapo. Reedito-o na convicção de que não é muito lido, apesar das curiosidades que encerra. Vou tentar convencer alguns amigos a cooperarem com textos semelhantes. Lembro, no entanto, que é necessário evitar as fantasias. O rigor histórico é muito  importante.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A Ponte da Cale da Vila que ruiu

A Borda